quarta-feira, 12 de julho de 2017

Alguns venenos existentes desde sempre

Quem pensa que a ideia de preparar motores boxer de modo que estes tenham um desempenho bacana é algo atual, com certeza está enganado e a propaganda que aparecerá no post de hoje evidencia isso de maneira mais do que nostálgica. Muitas receitas hoje difundidas aos montes na internet são vindas de pessoas que montaram motores com peças como as apresentadas hoje há muitos anos atrás. Se você já está me dando a honra da visita, não deixe de dar aquele like bacana na página do Facebook e de seguir o blog também. Desta maneira, você fica sabendo de tudo o que rola aqui no blog, visto que sempre há um post novo todos os dias. Os botões de curtir e seguir estão aqui a sua direita, bem rápidos e fáceis. Para seguir o blog é necessária apenas uma conta do Google, coisa que todo mundo tem hoje em dia. Além disso, a sua direita também há um botão para que você possa se inscrever em meu canal do Youtube, onde muitas novidades aparecerão em um futuro muito breve para somar com alguns vídeos que lá já existem. Clicando nesses botões e dando essa forcinha, você está prestigiando o blog de uma das melhores maneiras possíveis para que ele continue crescendo e mais pessoas possam conhecer todo o conteúdo que é postado aqui para todos aqueles que, assim como eu, são apaixonados pelo fantástico mundo do antigomobilismo com admiração pelo incrível universo dos Volkswagen refrigerados a ar.
Há alguns dias atrás eu tive o privilégio de escrever um post que mostrava o funcionamento de um motor 1600cc que passou por algumas modificações visando a melhora no desempenho. Aquele post teve um número muito interessante de acessos e foi muito comentado nas redes sociais. Por esse motivo, resolvi trazer a vocês no post de hoje uma propaganda muito parecida com algumas outras já publicadas aqui que divulgavam peças diferenciadas para o motor VW a ar.
Imagine você com um carro nas mãos há pelo menos 30 anos atrás com o desejo de fazer alguma modificação ou melhoria no carro. Muitas vezes naquela época a informação não era tão acessível de modo que tudo era facilmente compreendido por nós. Ou se dependia de um profissional experiente e, como uma alternativa muitas vezes mais fácil que um diálogo, correr atrás da literatura. Mas a grande realidade é que sem a internet a "troca de figurinhas" a respeito das coisas realmente era um pouco prejudicada. Hoje se você pretende, por exemplo, montar um motor, tudo é mais facilitado em relação ao grande acesso criado as informações.
A propaganda que vocês veem ao final do post estava salva no meu computador há algum tempo. Eu, sinceramente, não me lembrava de onde salvei, mas fazendo uma breve pesquisa no Google, descobri que foi deste link, a quem devo todos os créditos. Nela, mais uma vez são apresentados os maravilhosos produtos que eram vendidos pela Puma no passado. Quem não queria ou não podia ter um Puma na época, tinha a opção de melhorar o rendimento do seu Fusca ou derivado utilizando essas peças de perfomance, como bombas de óleo de maior vazão, dupla carburação, comandos esportivos, virabrequins de maior curso e outras peças. É mais do que nostálgico e, com certeza, essa linha de peças inspira e muito as receitas voltadas ao desempenho montadas nos dias atuais.
Veja:



4 comentários:

  1. E detalhe, alguns desses "venenos" de época eram aplicados em Fuscas e Brasílias a um custo muito alto, aliás, na época, só o fato de conseguir comprar um carro já era uma coisa grandiosa e quanto ao rendimento, hoje em dia pode não ser muito, mas para a época era algo extraordinário, exemplo, uma Brasília equipada com um kit 1800, chegava de velocidade final em algo em torno dos 150, 160 km/h o que hoje qualquer carro 1.0 faz brincando, mas levando-se em consideração que a Brasília original não passava dos 140 km/h, isso era o top das preparações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Os números desse tipo de preparação eram grandiosos para a época...

      Excluir
    2. E durante um bom tempo permaneceu assim, até o fim da década de 80, qualquer carro que ultrapassasse os 150 Km/h de final era considerado um esportivo.

      Excluir
    3. Sim. Na época velocidades como 120, 130 km/h eram muito "maiores" diante da concepção de velocidade que se tem hoje. Eu particularmente vejo como bacana em um carro antigo a possibilidade de fazer viagens se observando as coisas, sem se preocupar com uma alta velocidade... se curte muito mais...heheh (Um Opalão 6cc ou um Maveco V8 são legais de acelerar, mas é preciso juízo...kkk)

      Excluir

Seu comentário é muito bem vindo!